29 de abr de 2013

Teste de Avaliação - Pé Plano e Pé Cavo

Tema: Teste do Pezinho
Data: 29/04/2013
Horário: 08:00h
Local: Escola Municipal Dinarte Mariz
Responsáveis: Direção, Supervisão, Professores da Ed. Infantil e Estagiárias da UNP em Fisioterapia 

Recebemos Ruth costa, Talita Teixeira, Maria Rita Câmara e Lindomar Alencar, estagiárias de Fisioterapia para avaliar a estrutura óssea do pé dos alunos do Infantil I e II . Os dados colhidos serão usados para aplicar atividades físicas, visando corrigir qualquer problema se necessário, melhorando a saúde e o bem estar. 

O teste do pezinho tornou-se obrigatório a partir 2011. Doenças detectadas no teste têm o tempo como fator crucial no tratamento pois, o exame diagnostica quatro patologias metabólicas e genéticas: a Fenilcetonúria, o Hipotireoidismo Congênito, a Fibrose Cística, a Anemia Falciforme e demais Hemoglobinopatias.

A fenilcetonúria e o hipotireoidismo congênito podem ocasionar uma Deficiência Intelectual enquanto que a fibrose cística, a anemia falciforme causar prejuízos à qualidade de vida do bebê. Por este motivo, é essencial que se realize o exame para diagnóstico precoce na primeira semana de vida da criança, após 48 horas do nascimento, e com o limite máximo de até o 5º dia de vida.

Algumas doenças detectadas no teste têm o tempo como fator crucial no tratamento e na qualidade de vida da criança, que necessitará de alimentação especial e cuidados bastante específicos.

Tipos de pé:




O pé cavo é aquele que possui o arco bem acentuado e curvo. Já o pé chato, toca quase que por inteiro o chão, com um formato plano. Detalhes simples que podem gerar lesões, caso a pessoa não saiba.

Supinação é o movimento inverso da pronação. Enquanto na pronação a planta do pé se vira para fora, na supinação a planta do pé se vira para dentro.

Com o pé fixo no chão, a supinação pode se traduzir pela descarga de peso no bordo lateral e aumento do arco da parte de dentro do pé (oposto do pé chato). Crianças correm sempre, e a forma como elas pisam influência na sua formação óssea.

Da mesma forma com que um pé pode não ser pronado, mas pronar na corrida, o pé pode não ser supinado, mas supinar.

Um pé excessivamente supinado imediatamente antes do contato com o solo pode favorecer a ocorrência de entorses do tornozelo.

A sustentação do peso corporal na corrida com o pé supinado exercerá uma carga maior sobre a região lateral do pé e alterará a distribuição desta força no restante do aparelho locomotor podendo aumentar o risco de ocorrência de algumas lesões.

Lesões comuns aos pés:


- Pé cavo: pisa em dois apoios, o calcâneo e o ante pé. Portanto, tende a ter dores nessas regiões e tendinites na lateral (tendões fibulares);

- Pé chato: geralmente tem tendinite do lado de dentro no tendão tibial posterior e muitas vezes pode causar a barra óssea, uma deformação que bloqueia a flexibilidade dos pés.

Ambos se tratados na infância curam com palmilha e fisioterapia, mas nos casos crônicos ou sem resposta ao tratamento conservador, é preciso uma investigação médica. Com a persistência do problema, algumas pessoas passam por uma cirurgia corretiva do pé.

Além disso, o uso de tênis adequados pode ajudar na prevenção e tratamento de problemas. Com a finalidade de corrigir os excessos de pronação e de supinação que os diferentes tipos de pés apresentam, o calçado pode dispor de funcionalidades que visam diminuir o esforço muscular, evitar a dor e diminuir a ocorrência de lesões graves. Ir a um ortopedista é ideal para avaliar problemas de forma conclusiva.

Fonte: G1
           Globo Esporte
           Run and Care

22 de abr de 2013

Apresentação do Xingu com a professora Edilene

Os alunos do 4º B, fizeram uma apresentação do dia do índio com referência ao filme Xingu , que foi passado para eles no laboratório de informática, e assim fizeram as demostrações com comidas tipicas e pinturas pelo corpo.



19 de abr de 2013

Dia Nacional do Livro Infantil

"Um país se faz com homens e livros" 

Monteiro Lobato

José Bento Monteiro Lobato nasceu em 18 de abril de 1882, em Taubaté, no Vale do Paraíba. Estreou no mundo das Letras com pequenos contos para os jornais estudantis dos colégios Kennedy e Paulista.

No curso de Direito da Faculdade do Largo São Francisco, em São Paulo, dividiu-se entre suas principais paixões: escrever e desenhar. Colaborou em publicações dos alunos, vencendo um concurso literário, promovido em 1904 pelo Centro Acadêmico XI de Agosto.

Morou na república do Minarete, liderou o grupo de colegas que formou o "Cenáculo" e mandou artigos para um jornalzinho de Pindamonhangaba, cujo título era o mesmo daquela república de estudantes.

Nessa fase de sua formação, Lobato realizou as leituras básicas e entrou em contato com a obra do filósofo alemão Nietzsche, cujo pensamento o guiaria vida afora.

Viveu um tempo como fazendeiro e foi editor de sucesso. Mas foi como escritor infantil que Lobato despertou para o mundo em 1917. 

O Dia Nacional do Livro Infantil é uma data em homenagem a Monteiro Lobato que foi um dos principais autores da Literatura Infanto Juvenil Brasileira.

Mais da metade dos livros de Monteiro Lobato tinham como alvo o público infanto-juvenil, com a intenção de ajudar na formação intelectual e moral da juventude brasileira. Entre os mais populares estão: "A Menina do Nariz Arrebitado"; "O Saci"; "Fábulas do Marquês de Rabicó"; "Aventuras do Príncipe"; "Noivado de Narizinho"; "O Pó de Pirlimpimpim"; "Reinações de Narizinho"; "As Caçadas de Pedrinho"; "Emília no País da Gramática"; "Memórias da Emília"; "O Poço do Visconde" e "O Picapau Amarelo", que foi transformado em obra televisiva nos anos 80 e sendo regravado no final dos anos 90.






Fonte: Brasil.gov

Carnaval Fora de Época







Tema: Ritmos Carnavalescos
Sub-tema: Carnaval é Alegria
Data: 19/04/2013
Horário: 08:00 às 11:20
Local: Escola Municipal Dinarte Mariz



Marchinhas:


A primeira marcha foi a composição de 1899 de Chiquinha Gonzaga, intitulada Ó Abre Alas, feita para o cordão carnavalesco Rosa de Ouro.

É um estilo musical importado para o Brasil, que descende diretamente das marchas populares portuguesas, partilhando com elas o compasso das marchas militares, embora mais acelerado, melodias simples e viva. Marchas portuguesas faziam grande sucesso no Brasil até 1920, destacando-se Vassourinha, em 1912, e A Baratinha, em 1917.

Frevo:


O Frevo é Patrimônio Imaterial da Humanidade, reconhecido pela UNESCO, que protege os saberes, os modos de fazer, as formas de expressão, celebrações, as festas e danças populares, lendas, músicas, costumes e outras tradições.

Axé:


O Axé, ou axé music, é um gênero musical surgido no estado da Bahia na década de 1980 durante as manifestações populares do Carnaval de Salvador, misturando frevo pernambucano, ritmos afro-brasileiros, reggae, merengue, forró, maracatu e outros ritmos afro-latinos.

No entanto, o termo Axé é utilizado erroneamente para designar todos os ritmos de raízes africanas ou o estilo de música de qualquer banda ou artista que provém da Bahia. Sabe-se hoje, que nem toda música baiana é Axé, pois lá há o Samba-reggae, representado principalmente pelo Bloco Afro Olodum, o Samba de Roda, o Ijexá - tocado com variações diversas por bandas percussivas de blocos afro e Pagode produzido por algumas bandas, e um variação do frevo.

Samba:


O samba é um gênero musical, do qual deriva de um tipo de dança, de raízes africanas, surgido no Brasil e considerado uma das principais manifestações culturais populares brasileiras. Dentre suas características originais, possui uma forma na qual a dança é acompanhada por pequenas frases melódicas e refrões de criação anônima, alicerces do samba de roda nascido no Recôncavo Baiano. Embora houvesse variadas formas de samba no Brasil (não apenas na Bahia, como também no Maranhão, em Minas Gerais, em Pernambuco e em São Paulo), sob a forma de diversos ritmos e danças populares regionais que se originaram do batuque, o samba como gênero musical é entendido como uma expressão musical urbana do Rio de Janeiro, então capital do Brasil Imperial, onde chegou durante a segunda metade do século XIX levado por negros oriundos do sertão baiano.

Fonte: Wikipédia

5 de abr de 2013

Semana da Páscoa



Tema: O Verdadeiro Significado
Data: 05/04/2013
Horário: 09:00h
Local: Escola Municipal Dinarte Mariz



Matzá, pão sem fermento utilizado na comemoração da Páscoa.
O Pessach (Páscoa, em Hebraíco) serve como uma conexão entre o povo judeu e sua história. Antes do início da festa, os judeus removem todos os alimentos fermentados (chamados chametz) de seus lares e os queimam. Não é permitido permanecer com chametz durante a Pessach. Os objetos de chametz são escondidos, e outros, passíveis de descarte, como carnes derivadas de animais mortos por qualquer meio que não o sacrifício ritual, carne de porco, camarão, lagosta, todos os frutos do mar, peixes que não possuem escamas, carne com sangue, e qualquer alimento que misture carne com produtos de origem láctea, como manteiga, leite e queijo, são exemplos. Os utilizados para cozinhar passam pelo fogo, e os de comidas frias passam pela água. É proibido realizar qualquer trabalho depois de meio-dia, ainda que um judeu possa permitir que um não judeu realize esse trabalho.

A festa de Pessach é antes de tudo uma festa familiar, onde é realizado um jantar especial chamado de Sêder de Pessach. A história do Êxodo do Egito é narrada, e se faz as leituras das bençãos, da Hagadá (contendo a história da libertação do povo de Israel do Egito), de parábolas e canções judaicas. Durante a refeição, come-se pão ázimo, pão assado sem fermento, feito somente de farinha de trigo e ervas amargas.

Sêder de Pessach Placa 
Acredita-se que a Ultima Ceia, episódio da partilha de Jesus com os apóstolos, tenha ocorrido pouco antes da Páscoa.

Os costumes pagãos ao Cristianismo, como o coelho e dos ovos, foram assimilados pela cultura mundial posteriormente, virando a festa comercial que vemos hoje em dia. 

Comemorar esses acontecimentos é lembrar a liberdade de culto, a partilha do diálogo, e o alimento espiritual que Bíblia nos oferece através da sua lição secular.





Fonte: Wikipédia